send link to app

Lets I Ching



Livre

"Vamos I Ching" é um livre I app simples, mas completo Ching Android. Tente se concentrar em uma questão de pedir ao I Ching e atirar moedas para obter os resultados de adivinhação. Você ficará surpreso com o quão preciso o I Ching dizer. Nenhuma matéria você é um iniciante ou profissionais, você não vai se arrepender de tentar.As características incluem:- Modo de Início Rápido- Simplificado I Ching- Advanced I Ching- análise avançada na área diferente, por exemplo amor, família, raças, crianças, etc- Alguma sorte esta semana- I Ching Gallery- Bookmark and recurso de compartilhamento (compartilhar o resultado com amigos e familiares no Google Plus, Facebook, Twitter, e-mail, etc)- Suportar diferentes idiomas incluem Deutsch, English, español, français, italiano, 日本語, português, 中文(繁體), 中文(简体)- E maisAbout solLuna apps in facebook and twitterfacebook page - https://www.facebook.com/sollunaapp/twitter - https://twitter.com/solluna_
O que é I Ching? (Como citado em Wiki)O I Ching ou Livro das Mutações, é um texto clássico chinês composto de várias camadas, sobrepostas ao longo do tempo. É um dos mais antigos e um dos únicos textos chineses que chegaram até nossos dias. Ching, significando clássico, foi o nome dado por Confúcio à sua edição dos antigos livros. Antes era chamado apenas I: o ideograma I é traduzido de muitas formas, e no século XX ficou conhecido no ocidente como "mudança" ou "mutação".
O "I Ching" pode ser compreendido e estudado tanto como um oráculo quanto como um livro de sabedoria. Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado por religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida taoísta.
O I Ching surgiu antes da dinastia Chou (1150-249 a.C.) e era um conjunto de oito Kua, figuras formadas por três e seis linhas sobrepostas. James Legge, na tradução para o inglês (1882), chamou de trigrama o conjunto de três linhas e hexagrama o de seis, para distingui-los entre si.
A origem dos 64 hexagramas é atribuída a Fu Hsi, o criador mítico chinês, e até a dinastia Chou eles formavam o I. Os oito trigramas têm nomes não encontrados em chinês, a origem é pré-literária.
O tempo obscureceu a compreensão das linhas, e no começo da dinastia Chou surgiram dois anexos: o Julgamento, atribuído pela tradição ao rei Wên, e as Linhas, atribuídas a seu filho, o duque de Chou, ambos fundadores desta dinastia.
Mais tarde, mesmo o significado destes textos começou a ficar obscuro, e no século VI a.C. foram acrescentadas as Dez Asas, que a tradição atribui a Confúcio, embora seja claro que a maioria delas não pode ser de sua autoria. O nome "I Ching" é dado ao conjunto dos Kua e todos os textos posteriores.
O I Ching escapou da grande queima de livros feita pelo tirano Ch'in Shih Huang Ti, no tempo em era considerado um livro de magia e adivinhação, o que levou a escola de magos das dinastias Ch'in e Han a interpretá-lo segundo outras visões A doutrina do yin-yang foi sobreposta ao texto. O sábio Wang Pi veio a resgatá-lo como livro de sabedoria.
Houve várias traduções do "I Ching" para línguas ocidentais, algumas claramente desrespeitosas, tratando a cultura chinesa como primitiva. A tradução de Legge fez parte da série Sacred books of the East (Livros sagrados do Oriente), e foi traduzida também para o português.